“À noite” de FJ Sanz, um relato gótico

Tempo de leitura: 5 minutos.
Comprimento de impressão: 3 páginas.

Vivo à noite.

Meus sentidos me descrevem com precisão total quanto acontece ao meu redor. Todo o que é invisível para os que convivem comigo resulta diáfano e brilhante a minha perceção.

Alço o rosto para o céu preto e exalo um curto suspiro. Talvez só seja uma lembrança nostálgica da minha anterior existência, de alguma coisa que foi sempre tão natural como a própria vida e que, agora, fica tão longe e esquecida, pois os meus pulmões atrofiados já não saberiam o que é um sopro de oxigênio se não for porque preciso de ar para fazer vibrar as cordas vocais que me permitem falar.

Nesse curto suspiro, essa falsa baforada de vida, aspiro o perfume que emana da pele daquela jovem que está a olhar pela janela, do seu curto e molhado cabelo, com seus olhos perdidos nas estrelas, apenas um pouco mais acima de onde eu fico, aferrado às sombras deste velho beiral. O tufo da poluição e das lixeiras já ficou suprimido do meu olfato, tanto tempo há que moro nesta cidade. Mas o cheiro terrível a fritos que sai fora dessa cozinha começa a colar-se ao céu da boca. Vomitaria se meu estômago ainda for capaz de fazer.

Não tenho fome. Ou sede. Essa distinção deixou de ter sentido há… quanto? Dez anos? Vinte? Realmente o ignoro, a cidade não mudou mesmo tanto como para eu apreciar o tempo passado desde que caminhava por aquelas ruas ali em baixo e era eu quem se sentia como uma possível vítima. Embora, pensando bem, esta cidade não mudou nada em muitos anos, nem vai mudar.

Uma coisa sim é diferente. Já não sou uma presa. Mas também não sou caçador. Melhor, me considero um mendigo, sim, um mendigo que tem de roubar aquilo que precisa para a sua subsistência e que, de outro modo, não o poderia conseguir.

Não mato. Não assassino minhas presas. Me alimento o necessário e deixou que pensem que, simplesmente, foi um pesadelo. Ou um sonho intenso que duvidam se foi horrível… ou tremendamente prazenteiro? Não sei, mas não acabo com eles. Só o homem é tão estúpido para destruir o meio que lhe alimenta. E a minha humanidade faz parte do passado.

Falando de presas… esse som é inconfundível. Esse ruído de saltos altos apressados indica que alguém se meteu no bairro errado, a uma hora ainda mais equivocada. Sim, agora posso vê-la, ao abrigo do seu casaco de cor castanha, embora não parece ter certeza se se esconder do frio da noite ou dos que moram nela. Estou inclinado a pensar no segundo, pela forma como se envolve com os seus braços e olha para o chão.

Nossa, levanta seus olhos, para mim, embora não me possa ver. Ela nada pode distinguir na escuridão que me rodeia, nem o meu casacão preto. Fico surpreso. Ela possui uma intuição muito aguda, mas é uma pena, errou seu caçador desta noite. Hoje, eu sou apenas um espetador, o verdadeiro perigo a aguarda mesmo quando atravessar a rua, nessa esquina. Tomara que tudo termine rápido, não gostaria que o cheiro do sangue dela me alcançasse e quebrasse minha calma.

Hum… Gritos. Luta.

Não. Não houve sorte. E esse cheiro não me deixa pensar com claridade. Mete-se em mim e acorda sensações, instintos que lutam para se livrar e procurar o seu tributo.

O feitiço quebrou. A cena mudou, apesar de ser o mesmo cenário e a lua ainda brilha no céu. Talvez amanhã aconteça de novo, talvez em alguns anos.

Pouco importa. O sangue me chama.


1 comentario

Rairinda · 21/06/2020 a las 13:54

Muito bonito esse relato. Gostei muito desse parágrafo:
Uma coisa sim é diferente. Já não sou uma presa. Mas também não sou caçador. Melhor, me considero um mendigo, sim, um mendigo que tem de roubar aquilo que precisa para a sua subsistência e que, de outro modo, não o poderia conseguir.
Parabéns pela inspiração para escrever! 🙂

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies