«O balão» de FJ Sanz, uma história assustadora

Tempo de leitura: 5 minutos.
Comprimento de impressão: 3 páginas.

Não deberia ter acontecido nenhuma coisa especial.

Passaram cinco anos desde que nós conhecemos e a minha namorada quis celebrar cozinhando um bolo cheio de memórias e sentimentos, enchendo a casa de grinaldas e comprando um balão de hélio, daqueles que flutuan até o teto, atado com um cordel, em forma de um enorme cinco.

Nos dias de hoje, celebrar cinco anos juntos não era pouca coisa, não quando se faz com o deseo de celebrar mais cinco e cinco vezes.

Na manhã seguinte, voltava-se à rotina do trabalho. As grinaldas foram apanhadas e o bolo acompanhou os nossos pequeços-almoços e sobremesas por alguns dias.

Ficamos surpreendidos por o balão continuar a flutuar apesar da passagem do tempo. Durante o dia, traziamo-lo para a sala de estar para manter o seu significado na mente e sorrir, talvez tolamente, quando os nossos olhos se encontravam. À noite, porém, levávamo-lo para um dos quartos, para evitar o risco de que ele cair nas garras do nosso gato, que vigiava com tanta sanha, como se em siléncio o desafiasse a descer do teto.

Quase dois semanas depois, esta rotina emotiva de balão aqui, balão ali continuava, apesar de o tempo ter começado a fazer a sua parte. E, se ainda flutuava, apenas fazia a meia altura e com a figura do cinco orgulhoso a mudar para alguma coisa menos definida.

Uma noite fui para a cama inquieto.

Não fiz nada em particular: jantar, televisão e alguma leitura antes de adormecer. Sim embargo, senti-me tenso, desconfortável na minha própria casa. Achei ter ouvido ruídos, que logo quis identificar como o estor duma janela a batir ao ritmo do vento.

A clássica historia assustadora, suponho.

Minha namorada dormia tranquila ao meu lado, sem reparar em nada fora do normal, mas para mim era diferente. Farto, decidi levantar-me e atravessar o corredor que separava o quarto daquele que servia como escritório da minha companheira, com a intenção de fechar a janela maldita. Não pude deixar de dar um olhar desconfiado e reprovador à figura amorfa do balão, que mal estava de pé, incapaz de voar.

Voltei para a cama com a tarefa cumprida, mas longe de estar aliviado.

Muito longe disso.

Aquela sensação angustiadora cresceu, perturbando a minha calma natural, e não tive qualquer problema em imaginar como é que aquele cinco contorcido aventurava-se para além dos limites do escritório e entrava no nosso quarto. Com um movimento vacilante, manquejante, como o dos seres que se esqueceram do que é estar vivo.

Esse terror incompreensível de abrir os olhos e descobrir alguma coisa curvada sobre si, olhando para si. E não com bons desejos.

Mas nada aconteceu.

Apesar da minha apreensão, o cansaço acabou por me vencer e mergulhei num sono inquietado, cheio de sombras. Mas quando acordei, tudo tinha ficado esquecido, relegado a um canto afastado da minha memória.

Quando voltei do trabalho à noite, a minha namorada cumprimentou-me com um sorriso radiante nos lábios.

Isto não foi, de forma alguma, uma coisa incomum. Vivaz e alegre como nenhuma outra, mas eu captei algo de especial nela que me fez perguntar.

—O que é esse sorriso? O que é que se passa?

—Não sabes o quanto gosto que sejas assim —ela agradeceu-me, sem me explicar mais.

Não respondi, porque não soube do que ela estava a falar.

Segui-a mansamente pelo corredor, pois ela parecia disposta a mostrar-me algo. Alguma coisa, aparentemente, que eu tinha feito.

—Adoro que tenhas tais toques românticos —disse ela, acenando com a mão para o quarto.

Em particular, para o balão amorfo que ficava enfranquecendo do outro lado da cama.

Perto da minha mesa de cabeceira.

Sinopse

Um belo aniversário. Uma companhia inesperada. «O Balão» é uma história de horror sobrenatural que fará arrepiar o seu cabelo. Escrito por FJ Sanz, autor de ficção.


0 comentarios

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies